Seja bem-vindo à nova série do Sicoob em que vamos explicar conceitos e práticas do cooperativismo que podem fazer toda a diferença na sua vida pessoal e profissional.

Provavelmente você já conhece ou ouviu falar do Sicoob, certo? O Sistema de Cooperativas Financeiras do Brasil que possui, hoje, mais de 5 milhões de cooperados em uma rede de atendimento em todos os estados do país. Mas você sabe exatamente como funciona o conceito do cooperativismo financeiro?

Vamos por partes e começar do início: na definição do dicionário Michaelis, cooperativa é uma associação de consumidores ou produtores, com igualdade de direitos que, eliminando intermediários, desenvolve atividades econômicas ou prestação de serviços, em benefício dos associados, sem a previsão de lucro.

Já o conceito cooperativismo financeiro nada mais é do que uma instituição organizada sob a forma de sociedade cooperativa, ou seja, uma organização mantida pelos próprios sócios que exercem, ao mesmo tempo, o papel de donos e usuários. Porque, para lidar com dinheiro, investimentos e demais assuntos financeiros, você não possui apenas os bancos tradicionais como única opção. Uma cooperativa de crédito está autorizada a oferecer serviços como conta corrente e empréstimos, com o diferencial de que todos os associados têm poder igual de voto independente da sua cota de participação no capital social da cooperativa e todos se beneficiam de forma mais direta e transparente.

Para ficar ainda mais claro, o Sicoob criou um vídeo bem detalhado sobre esse conceito. Confira abaixo:

E pode ficar tranquilo porque o Banco Central autoriza e supervisiona o funcionamento das cooperativas de crédito em todo o Brasil, ao contrário de cooperativas de outros ramos como transporte, educação e agropecuária que não possuem essa chancela. Além disso, o seu investimento também está protegido pelo Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop) que é uma proteção a esse modelo de sistema financeiro. O FGCoop foi criado para garantir e igualar as condições de competitividade das cooperativas de crédito com os outros bancos e instituições financeiras tradicionais. E os bancos cooperativos ainda estão inseridos na legislação e regulamentação aplicáveis aos bancos comerciais e aos bancos múltiplos em geral.

Bom, agora que você já compreendeu os conceitos básicos sobre o cooperativismo, acompanhe essa nova série de conteúdos que trarão novos conceitos e aprofundamento para você conhecer, se familiarizar e compartilhar uma nova maneira de lidar com as questões financeiras da sua vida e dos seus negócios. Compartilhe com a família e amigos e venha fazer parte do Sicoob.

No Sicoob todo mundo sai ganhando: você cresce junto com a comunidade de associados da sua região.

Aqui no Sicoob, mais conhecimento significa mais benefícios para você. Depois de aprender um pouco mais sobre cooperativismo e cotas-partes, vamos falar sobre quais são as vantagens, na prática, de se associar a uma cooperativa de crédito. Então siga com a gente!

É sabido que, ao se tornar um cooperado Sicoob, você conta com taxas especiais e todos os serviços e produtos bancários tradicionais como empréstimos, conta corrente, poupança, cartões de crédito, investimentos, seguros, dentre muitos outros, certo? Mas para além de tudo isso, você também terá uma participação nos resultados da cooperativa. Isso mesmo! Esse é um dos maiores diferenciais de uma cooperativa de crédito como o Sicoob. Você passa a receber os lucros de acordo com as cotas-partes investidas.

E não custa nada reforçar uma informação que para o Sicoob faz parte de um valor: no modelo de negócio praticado pelas cooperativas de crédito, todos participam ativamente de todas as decisões e a divisão dos resultados é realizada proporcionalmente, de acordo com o valor de operações de cada um. No Sicoob, a missão também é gerar soluções adequadas e sustentáveis aos cooperados e às suas comunidades. Cada um que faz parte desse sistema trabalha o cooperativismo como uma filosofia de vida. É uma forma de pensar e agir que não só torna possível, mas também potencializa a realização de algo que muitas vezes não se alcançaria sozinho.

Você não será apenas um cliente Sicoob. Na verdade, você torna-se um usuário e, ao mesmo tempo, um dos donos com direito à participação nas assembleias para tomada de decisões e, havendo dividendos de aplicações ou investimentos realizados, o valor é devolvido aos cooperados. Você pode, inclusive, planejar investir ou aplicar as “sobras” em produtos ou até mesmo ajudar a sua comunidade auxiliando alguma causa social.

Confira no vídeo abaixo como você pode crescer e ganhar junto com o Sicoob e os demais cooperados da sua região:

É incrível como as possibilidades do cooperativismo são inúmeras. E com o Sicoob você tem muito mais vantagens, além da tranquilidade de se associar a uma das instituições mais respeitadas do país. Entre em contato conosco baixando o App Sicoob ou encontrando uma cooperativa mais próxima de você.

Saiba o que diferencia uma instituição da outra e entenda um pouco mais sobre a história do cooperativismo no Brasil.

Você já aprendeu por aqui sobre alguns conceitos do cooperativismo. Agora, para deixar a conversa cada vez mais clara e inspirados pelas dicas do assessor de investimentos Lucas Carulice, sócio do canal de educação financeira EQI, vamos mostrar quais são as diferenças básicas entre os bancos tradicionais e as cooperativas de crédito no Brasil. Vem com a gente!

1. Formação

Para começar, vamos falar sobre como essas instituições são formadas e seu funcionamento estrutural. Os bancos são sociedades baseadas no capital enquanto as cooperativas são sociedades de pessoas. E a importância disso você compreenderá no próximo item.

2. Usuários

Nos bancos tradicionais você é apenas um cliente, isso significa que as operações são basicamente comerciais entre os correntistas e o banco. Já nas cooperativas, você se torna um associado que pode ser considerado como um dos donos. E, sendo um dos donos, as decisões e produtos geram resultados diretamente relacionados ao seu investimento na cooperativa.

3. Interesses

Quem dá as cartas nos bancos são os acionistas e são eles que lucram com as transações das instituições. Os clientes não influenciam em nenhuma decisão interna. Nas cooperativas a conversa é diferente, uma vez que os associados têm votos equivalentes e todos os votos têm o mesmo valor, deixando claro que os interesses são pensados para o conjunto de cooperados. Não havendo então uma classe superior de investidores que ditam os movimentos da cooperativa. Aliás, todos os cooperados participam das decisões das políticas operacionais.

4. Objetivos primários

Para bancos trata-se do lucro para os acionistas. Simples assim. E não é que o lucro não seja importante para as cooperativas, mas lucrar coletivamente é a palavra de ordem, a partir da administração dos recursos financeiros dos associados de maneira vantajosa para todos.

5. Taxas

Essa é fácil de demonstrar a qualquer momento: as taxas e preços de produtos e serviços nas cooperativas podem chegar a ser até 20% menores que nos bancos tradicionais. Para saber mais, entre em contato com o Sicoob e conheça todas as soluções oferecidas.

6. Resultados

Já falamos sobre esse tópico em posts anteriores, mas nunca é demais reforçar: o lucro dos bancos é dividido entre os acionistas, enquanto nas cooperativas os rendimentos positivos são distribuídos entre todos os cooperados de acordo com suas respectivas participações. Lembra da cota-capital que também explicamos nos primeiros posts?

7. Comunidade

De uma forma geral, os bancos tradicionais não priorizam investimentos locais, uma vez que são instituições comumente globais com matrizes em grandes capitais. As cooperativas, por sua vez, retêm os recursos na cidade/município onde atuam, contribuindo para o desenvolvimento do mercado local.

Se você gostou do conteúdo e deseja aprofundar mais no assunto, o Banco Central lançou o ebook Cooperativas de Crédito - história da evolução normativa no Brasil que conta a história de como e quando o cooperativismo surgiu e mostra até uma cronologia das normas da operação no país. Um conteúdo muito rico em detalhes para você entender mais sobre as diferenças das instituições financeiras que tratamos neste post.

E para fazer parte do Sicoob, baixe o app ou procure uma cooperativa mais próxima de você. O mundo do cooperativismo está sempre de portas abertas para quem enxerga e valoriza novas oportunidades de crescimento coletivo.

Entenda como fazer parte e para onde seu dinheiro vai ao tornar-se um associado de uma cooperativa financeira como o Sicoob.

Agora que você já entendeu um pouco mais sobre cooperativismo, vamos avançar para os demais conceitos deste sistema financeiro que pode transformar a sua vida. Você já ouviu falar sobre cota-capital?

Imagine a seguinte situação: você vai abrir uma empresa e, para isso, precisa ter uma quantia que é chamada de capital social desse negócio. No cooperativismo também existe esse investimento inicial. Você, ao decidir entrar para uma cooperativa financeira, torna-se um dos vários donos dessa instituição investindo um capital social que, neste caso, é chamado de cota-capital ou cota-parte. Calma que vamos explicar mais detalhadamente a seguir.

O capital social de uma cooperativa financeira é a soma das cotas-partes de todos os cooperados, ou seja, de todas as pessoas que decidiram se associar a uma cooperativa como o Sicoob, por exemplo. E quanto mais cooperados o Sicoob tiver, maior será o capital social e, assim, mais ele poderá crescer e mais benefícios poderá gerar para seus cooperados. Dá só uma olhada nessas 7 vantagens de entrar para uma cooperativa financeira.

E pra onde vai esse dinheiro? A cooperativa torna-se proprietária dele? Não. Muito pelo contrário. Esse investimento é seu. A diferença é que ele precisa ser depositado em uma conta capital e nela, diferentemente de uma conta corrente, o seu dinheiro vai render junto às outras cotas-partes dos demais associados. Essa conta é individual, aberta em seu nome e você deposita a quantia quando se torna um cooperado. Você, como cooperado, pode comprar mais de uma cota-parte e ampliar a sua participação porque quanto mais tiver, maior será a sua fatia na cooperativa. E o melhor: quanto maior sua movimentação financeira, mais você vai participar dos resultados no final do ano. Simples assim.

Interessou? Para fazer parte, baixe o App Sicoob ou procure a cooperativa mais próxima de você. E aproveite para compartilhar este conteúdo com quem vai adorar descobrir novas possibilidades financeiras assim com você.

Como o cenário brasileiro tem registrado dados otimistas, o reflexo no mercado e uma solução prática e segura para você abrir uma conta digital com a gente.

Vamos continuar nosso papo sobre cooperativismo financeiro? Agora aprofundando um pouco mais na evolução do setor no Brasil. Você talvez ainda não saiba, mas o crescimento que o cooperativismo de crédito tem registrado no país, mesmo com todos os desafios da pandemia, é bastante otimista. De acordo com dados do MundoCoop, já existem hoje quase 12 milhões de associados em cooperativas financeiras brasileiras, o que representa 6% da população. Trazendo um contexto rápido do restante do globo, os dados também impressionam já que são mais de 291 milhões de cooperados em 118 países nos seis continentes.

O cenário abre as portas para um sentimento de esperança. Em junho deste ano, o Banco Central liberou o Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo com dados que mostram um aumento de 5,7% na quantidade de unidades de atendimento, chegando ao número de 7.321. E, também, nos ativos totais que saltaram para R$ 371,8 bilhões, um crescimento de 35,8%.

Todo esse crescimento se reflete na evolução dos serviços oferecidos pelas cooperativas de crédito que estão se integrando ao mundo digital. Aliado ao momento atual, em que a pandemia ajudou a acelerar (e muito) os processos de digitalização, talvez não exista um negócio ou pessoa que não tenha sido influenciado de alguma maneira por tamanhas mudanças. A título de curiosidade, 40% dos brasileiros aumentaram o uso de smartphones durante o pico da pandemia e 59% acreditam que vai continuar usando na mesma medida após o período pandêmico. Esses são dados de uma pesquisa muito recente que o Digital Turbine, plataforma de mídia on-device, encomendou em agosto de 2021.

E o que você vai fazer com toda essa informação? Saber escolher bem onde investir o seu dinheiro e da sua empresa. Todas as mudanças recentes no mundo impactaram na maneira como as cooperativas de crédito desenvolvem serviços inovadores, práticos e cada vez mais seguros para seus cooperados. E a tendência é que as transações financeiras sejam cada vez mais digitais, uma vez que o número de novos usuários nos bancos digitais mais que dobrou em 2021, segundo pesquisas do site Consumidor Moderno.

Sabendo disso, o Sicoob possui diversos produtos e serviços ideais para diferentes perfis de pessoas e empresas, porque acreditamos em uma vida financeira em que você vale mais do que tem. E o App do Sicoob pode ser seu primeiro passo para viver uma experiência transformadora. Confira abaixo o passo a passo que criamos para você ter acesso a uma conta digital através do App Sicoob. Um guia nos mínimos detalhes para você se associar digitalmente sem burocracia e do conforto de onde estiver. #PartiuSicoob.

 

 

Viu como é fácil, rápido e seguro se tornar um cooperado Sicoob? Se ainda restou alguma dúvida, procure por uma cooperativa da sua região ou acesse os canais de atendimento disponibilizados em www.sicoob.com.br

Venha conhecer os princípios do cooperativismo e como nós realizamos ações que visam a melhoria da qualidade de vida das comunidades onde nossas cooperativas estão inseridas.

Um dos grandes diferenciais das cooperativas de crédito, além de toda gestão democrática financeira, é a atuação direta na comunidade onde atuam. O que se caracteriza como um grande pilar do setor promovendo benefícios não somente para os cooperados, mas também para regiões e mercados locais em que estão inseridos. Mas antes de entrarmos nesse assunto, é preciso citar os 7 princípios básicos que regem o funcionamento do cooperativismo, sendo que um deles é exatamente o “interesse pela comunidade”.

Conheça:

- Adesão livre e voluntária
- Gestão democrática
- Participação econômica
- Autonomia e independência
- Educação, formação e informação
- Intercooperação
- Interesse pela comunidade

Para facilitar nossa compreensão e aprofundamento no assunto, confira abaixo este vídeo que explica cada um dos princípios e, de quebra, conta um pouco da história de como surgiu a primeira cooperativa do mundo nos moldes mais modernos que conhecemos atualmente.

Trazendo para nossa lupa o princípio do “interesse pela comunidade”, o Portal do Cooperativismo Financeiro redigiu uma definição muito certeira:

“As cooperativas devem respeitar as peculiaridades sociais e a vocação econômica do local, desenvolvendo soluções de negócios e apoiando ações humanitárias. A reciclagem de recursos pelas cooperativas financeiras, fazendo com que a monetização da produção e dos serviços gere novas riquezas local e regionalmente, é um exemplo de como isso se opera na prática. Em síntese, as cooperativas devem atuar para a contínua melhoria da qualidade de vida das pessoas dentro de sua área de atuação.”

Entendemos então que as cooperativas não visam o lucro, certo? Elas precisam, obviamente, operar no azul para funcionar e oferecer todos os serviços e produtos aos seus associados. No entanto, a partir do momento em que os rendimentos que “sobram” ao final do ano são distribuídos entre os seus associados (respeitando-se o valor das cotas de cada um), abrem-se oportunidades de criação e desenvolvimento de ações, ideias e projetos que visam o suporte à comunidade.

E lembre-se de que todas as decisões são tomadas em conjunto dentro de uma cooperativa. Logo, os cooperados que entendem sobre as peculiaridades e desafios de seu mercado local, agem de comum acordo na implementação de práticas que podem ajudar a melhorar a realidade do entorno.

Que tal um exemplo mais claro e na prática? O Sicoob possui o Instituto Sicoob - uma organização criada em 2004 com o objetivo de difundir a cultura cooperativista e contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável das comunidades.

O Instituto Sicoob, que atua em todo o território nacional desde 2018, tem como finalidade o sétimo princípio do cooperativismo que detalhamos neste post e a sua metodologia está fundamentada no quinto princípio (educação, formação e informação). Além da fundamentação no cooperativismo, atua pautado nos “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” da ONU – uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030.

Atualmente ele desempenha programas e projetos dentro de três eixos principais: Cooperativismo e Empreendedorismo, Cidadania Financeira e Desenvolvimento Sustentável. E, a partir desses eixos, o Instituto atua em parceria com o Sicoob, por meio de ações conjuntas e integradas com as cooperativas e o engajamento de colaboradores voluntários.

Para conhecer e ficar por dentro de todas as ações realizadas pelo Instituto Sicoob pelo Brasil, convidamos você a acessar o canal do YouTube e acompanhar pelas redes sociais todas as novidades.